maio 27, 2020

Confira os filmes africanos na programação do We Are One – A Global Film Festival

by Ana Camila in Sem categoria

Entre os dias 29 de maio e 7 de junho de 2020, acontece o We Are One – A Global Film Festival, uma iniciativa que reúne diversos festivais internacionais com o objetivo de exibir filmes online curados por esses eventos. O projeto foi pensado pelo Tribeca Film Festival e reúne grandes festivais como Cannes, Berlinale, Rotterdam, Veneza e Sundance. Todos os filmes serão exibidos no canal do We Are One no YouTube.

A programação saiu hoje e fizemos uma busca pelos filmes africanos que serão exibidos. Imaginamos que serão todos legendados em inglês, mas mesmo assim fizemos um levantamento dos títulos dirigidos por africanos, ou daqueles que tratam do universo da África de algum modo.

A programação completa você pode conferir no site oficial do We Are One. Aqui você confere os títulos, datas de exibição e sinopses traduzidas dos filmes africanos em exibição. Clique nos títulos dos filmes para acessar as informações de horários e links para assisti-los.

***

Crazy World, de Nabwana IGG (Uganda, 2019) 65min | dia 29/05

Sinopse: Neste filme de ação do ugandês Nabwana I.G.G. produzido no seu estúdio Wakaliwood, uma gangue de mafiosos que roubam crianças, conhecida como Máfia do Tigre, cria um novo esquema, baseado na ideia de que o sangue das crianças pode ter propriedades sobrenaturais. Mas eles cometem um erro fatal quando sequestram o Waka Stars, uma equipe de mestres de kung-fu mirim que logo investem sua inteligência e habilidades mortais em seus sequestradores. O filme foi selecionado pelo Toronto International Film Festival em 2019 e é um mergulho alucinante nessa indústria de filmes de ação em Uganda.

 

Daughters of Chibok, de Joel Kachi Benson (Nigéria, 2019) 11min | dia 29/05

Sinopse: Em 14 de abril de 2014, a cidade agrária de Chibok, na zona nordeste da Nigéria, foi lançada no centro das atenções globais quando o grupo terrorista Boko Haram invadiu a comunidade à noite e sequestrou 276 adolescentes escolares de seus dormitórios. O filme lida com as consequências dos sequestros e explora questões globais em torno de equidade de gênero e direito à educação.

 

Ivory Burn, de Nicholas de Pencier, Jennifer Baichwal, Edward Burtynsky (Canadá, Quênia, 2018) 7min | dia 29/05

Sinopse: Em 30 de abril de 2016, a maior queima de marfim da história ocorreu no Parque Nacional de Nairóbi. Onze piras – compostas por 105 toneladas de presas de elefante confiscadas e 1,35 toneladas de chifre de rinoceronte – foram incendiadas como um apelo para interromper todo o comércio de marfim. O valor das ruas das piras foi estimado entre 105 e 150 milhões de dólares, representando entre 6.000 e 7.000 elefantes. Este filme captura essa mensagem profundamente simbólica e visceral aos sindicatos de caça furtiva e comércio ilegal e testemunha a perda da vida animal e a diversidade que ela incorporava.

 

My Africa, de David Allen (UK, Quênia, 2018) 9min | dia 29/05

Sinopse: No norte do Quênia, o futuro da vida selvagem e das pessoas está entrelaçado. Fique no meio de uma migração estrondosa de gnus, testemunhe uma leoa arrebatar sua presa – e conheça uma comunidade dedicada a salvar a vida selvagem da África. Essa experiência combinada de realidade mista coloca os participantes no lugar de um guardião do Reteti Elephant Sanctuary, que cuida da chegada mais recente, um bebê elefante chamado Dudu.

 

Tapi!, de Jim Chuchu (Quênia, 2020) 25min | dia 03/06

Sinopse: Tapi! é um pequeno documentário que explora um momento formativo na vida do curandeiro ritual queniano Jackson, um dos últimos praticantes da prática de cura ritual chamada utapishi (“tapi”). Os líderes da igreja cristã local não estão felizes com a influência do ritual e decidem ir ao tribunal. Jackson recua contra a ameaça da proibição de tapi por movimentos religiosos que parecem determinados a apagar a complexa história de um povo.

 

Volubilis, de Faouzi Bensaïdi (Marrocos, 2017) 107min | dia 03/06

Sinopse: Na cidade marroquina de Meknès, os recém-casados Abdelkader e Malika lutam para sobreviver. Eles dividem um pequeno apartamento com a família de Abdelkader – incluindo seus cinco irmãos mais novos e seu pai doente e viciado em álcool -, mas sonham em um dia sair para começar uma vida própria juntos. Mas um dia, quando Abdelkader aparece em seu trabalho como guarda de segurança, um incidente inesperado e violento ameaça arrancar completamente seu destino.

 

Kmêdeus, de Nuno Miranda (Cabo Verde, 2020) 52 min | dia 03/06

Sinopse: Na ilha de São Vicente, Cabo Verde, sussurros enigmáticos envolviam um excêntrico sem-teto. Enquanto ele vagava pela ilha, as pessoas especularam sobre sua história – algumas o chamavam de lunático, outras de artista e filósofo – mas ninguém sabia quem ele realmente era. Eles só sabiam o nome dele: Kmêdeus, traduzido como “Coma Deus”. O coletivo cabo-verdiano Negrume acompanha o dançarino contemporâneo António Tavares através de sua performance hipnotizante, criada e apresentada em 2008, que busca evocar o mundo interior de Kmêdeus. Para este filme, Tavares percorre sua coreografia enquanto atravessa a cidade de Mindelo e tece as energias de sua música, cinema e celebrações anuais de carnaval em sua interpretação. Enquanto Tavares se esforça para honrar os mistérios de um homem, ele se vê traçando narrativas coletivas e culturais: Kmêdeus equilibra uma exploração gestual de seu xará com uma imersão fascinante nas tradicionais comunidades crioulas de Cabo Verde.

 

Ar Condicionado, de Fradique (Angola, 2020) 73min | dia 06/06

Sinopse: É um dia sufocante em Luanda, capital de Angola, quando os aparelhos de ar condicionado misteriosamente começam a se desprender das janelas do prédio e, sem aviso prévio, caem no chão. Em certo sentido, o relógio começa a disparar quando Matacedo é enviado para buscar uma unidade de reposição até o final do dia, mas o filme flui pelas correntes da cidade: o que começa como uma simples uma tarefa evolui para uma viagem agradavelmente surreal, inflada por jazz e por rap pelas ruas da cidade.

 

Atlantiques, de Mati Diop (Senegal, 2009) 15min | dia 07/06

Sinopse: O documentário ricamente texturizado de Mati Diop – tanto sua estreia experimental quanto um precursor de seu longa-metragem vencedor Grande Prêmio em Cannes, Atlantique – conta a história da trágica viagem migratória de um garoto no Senegal.

 

Parsi, de Eduardo Williams e Mariano Blatt (Guiné-Bissau, Argentina, Suíça 2018) 23min | dia 07/06

Sinopse: Comissionado para a Bienal da Imagem em Movimento de 2018, o mais recente trabalho imersivo de Eduardo Williamsv usa trabalho de câmera de 360 graus para explorar a linguagem rítmica e discursiva do poema de Mariano Blatt “No es” contra as pessoas em constante movimento da Guiné Bissau.

 

Pelourinho, They Don’t Really Care About Us, de Akosua Adoma Owusu (Gana, US, Brasil, 2019) 9min | dia 07/06

Sinopse: Em 1927, W. E. B. Du Bois escreveu à Embaixada dos EUA no Brasil sobre a atitude discriminatória do país em relação aos imigrantes negros. Akosua Adoma Owusu transmite essa correspondência por meio da montagem, justapondo leituras de voz das cartas, suntuosas imagens em Super-8 gravadas nas ruas de Pelourinho e imagens intercaladas do polêmico videoclipe de Spike Lee para “They Really Care About Us”, de Michael Jackson, resultando em um filme que rapidamente rastreia quase um século de agitação social.